Clipping Envie esse conteúdo para o email de um amigo Exibe a versão de impressão da página Retorna para a página anterior


12/01/2018

(12/01/2018 - 12:35)

ENEM 2017: Divulgação dos resultados será antecipada para 18 de janeiro

Os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017 serão disponibilizados com um dia de antecedência, em 18 de janeiro. Os resultados individuais poderão ser consultados na Página do Participante. Será necessário informar o CPF e a senha cadastrada na inscrição. A mesma senha dará acesso ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que ficará aberto de 29 de janeiro a 1º de fevereiro. Para aqueles que se esqueceram da senha, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) sugere que a recuperação seja feita com antecedência. A Página do Participante tem orientações completas para recuperação de senha.
Como em outras edições, e conforme previsto em edital, os resultados para fins exclusivos de autoavaliação de conhecimentos de participantes com menos de 18 anos, comumente chamados de treineiros, serão liberados 60 dias depois da divulgação regular. Os espelhos de correção das redações também serão após 60 dias. O acesso ao espelho de correção é uma forma do participante saber como se saiu em cada uma das cinco competências avaliadas pela prova.

Assessoria de Comunicação Social - MEC

Inep divulga resultados da 1ª Etapa do Revalida 2017

Os resultados da 1ª Etapa do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira (Revalida) 2017 estão disponíveis para consulta no portal do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) desde a manhã desta sexta-feira, 12 de janeiro. Para consultar as notas os participantes devem acessar o Sistema Revalida e fornecer CPF e senha cadastrada na inscrição. Também foram divulgados os gabaritos definitivos da Versão 1 e Versão 2 da prova objetiva, e os padrões de resposta definitivos da prova discursiva.
Todos os participantes aprovados na 1ª Etapa, com inscrição em situação “confirmada”, estão aptos a fazer a 2ª Etapa do Revalida 2017. O período de confirmação de inscrição para a 2ª Etapa e a data prevista para realização da prova serão divulgados oportunamente, no portal do Instituto.
A 1ª Etapa do Revalida contou com uma prova objetiva, composta de 100 questões de múltipla escolha, e uma discursiva, com cinco questões. As questões avaliaram as competências, as habilidades e o nível de desempenho esperado, de acordo com a matriz de correspondência curricular. As provas foram aplicadas para médicos de 56 diferentes nacionalidades em 24 de setembro de 2017.
A 2ª Etapa é uma prova de Avaliação de Habilidades Clínicas. Nessa etapa, o participante percorre dez estações resolvendo tarefas como, por exemplo, a investigação de história clínica, a interpretação de exames complementares, a formulação de hipóteses diagnósticas, a demonstração de procedimentos médicos, o aconselhamento a pacientes ou familiares. Para fazer a 2ª Etapa é necessário confirmar a inscrição e pagar uma taxa de inscrição de R$ 450. O período será divulgado no portal do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Revalida

O Exame subsidia os processos de revalidação, feito por determinadas universidades públicas, dos diplomas de médicos que se formaram no exterior. O Revalida é direcionado aos estrangeiros e brasileiros que se graduaram em outro país e querem exercer a profissão no Brasil. Para participar é preciso ser brasileiro ou estrangeiro em situação legal de residência no Brasil, e ter diploma médico expedido por instituição de ensino superior estrangeira, reconhecida no país de origem pelo seu ministério da educação ou órgão equivalente, e autenticado pela autoridade consular brasileira.

Clique aqui para acessar o Sistema Revalida

Assessoria de Comunicação Social - INEP

Ceará e Espírito Santo são os que mais perdem verbas de saúde e educação para campanhas


Saiba quanto cada Estado teve de redução no orçamento social enviado por emendas de bancada por causa da criação do Fundo Especial de Financiamento de Campanha

Ceará e o Espírito Santo foram os Estados brasileiros que mais tiveram recursos públicos, antes enviados por emendas parlamentares, transferidas das áreas da saúde e educação para o fundo público de campanhas neste ano. Todos os 26 Estados e o Distrito Federal tiveram um remanejamento padrão de verbas para composição do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC): R$ 48,7 milhões das emendas impositivas de bancada. Mas apenas no Ceará e no Espírito Santo o valor saiu integralmente dessas áreas do “orçamento social” para as despesas eleitorais.
No Ceará, os R$ 48,7 milhões recursos seriam destinados à compra de materiais para hospitais. No Espírito Santo, R$ 33 milhões iriam para a expansão dos campi da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), com edifícios e laboratórios novos e sustentáveis. Outros R$ 15,7 milhões haviam comprariam ambulâncias para a rede pública de saúde do Estado, especialmente pacientes internados e acidentados de alto risco.
Emendas são o instrumento pelo qual um parlamentar indica onde o governo vai gastar parte do Orçamento. Cada uma das 27 bancadas de deputados e senadores apresentou duas emendas impositivas ao Orçamento de 2018 que somavam R$ 162,4 milhões. Elas sofreram uma redução proporcional de 30% no valor inicial, o equivalente a R$ 48,7 milhões de contribuição, por força da lei que criou o FEFC. Na prática, cada bancada ficou com de R$ 113,7 milhões disponíveis.
O fundo, aprovado em 4 de outubro do ano passado, é uma alternativa à proibição das doações empresariais e receberá, no total, R$ 1,75 bilhão. Desse montante, R$ 1,3 bilhão sairá das emendas de bancada, cujo pagamento é obrigatório pelo governo, e R$ 450 milhões da isenção fiscal que seria concedida a rádios e TVs para veicular programas partidários.
O fundo público de financiamento de campanhas eleitorais vai receber, neste ano, R$ 472,3 milhões transferidos de emendas parlamentares das bancadas estaduais que seriam destinadas a cobrir gastos com saúde e educação. Confira na lista abaixo quais Estados tiveram recursos de emendas parlamentares impositivas (as que o governo é obrigado a pagar) retirados de gastos com saúde e educação, quanto cada um deixará de receber neste ano e a ação governamental afetada pela criação do Fundo Especial de Financiamento de Campanhas. Nem todos tiveram recursos nessas áreas remanejados.
Na conta, revelada pelo Estado, não entram outras despesas que senadores e deputados também cobririam com o dinheiro que foi remanejado no Orçamento para as eleições. Entre elas, está a manutenção no Acre e em Rondônia da BR-364, rodovia que fica intrafegável no período de chuvas, mas é uma das principais da Região Norte. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) perdeu R$ 78,7 milhões que receberia para essas intervenções.

Acre

- R$ 6 milhões em educação - expansão da Universidade Federal do Acre (UFAC)

Amapá

- R$ 27 milhões em educação - construção do Hospital Universitário da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP)

Espírito Santo

- R$ 33 milhões em educação – expansão dos campi da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), com edifícios e laboratórios novos e sustentáveis

- R$ 15,7 milhões em saúde – compra de ambulâncias para a rede pública de saúde do Estado, especialmente pacientes internados e acidentados de alto risco

Goiás

- R$ 18,7 milhões em educação – compra de ônibus, embarcações e bicicletas paro programa Caminho da Escola, de transporte escolar da educação básica, com foco em núcleos rurais e periféricos

Minas Gerais

- R$ 12,7 milhões em educação – reestruturação e expansão das instituições federais de Ensino Superior com ampliação de vagas e redução da evasão

Pará


- R$ 24,3 milhões em educação - reestruturação e expansão de instituições federais de Ensino Superior

Alagoas


- R$ 24,3 milhões em saúde - hospitais estaduais em Porto Calvo, Delmiro Gouveia e União dos Palmares

Bahia

- R$ 24,3 milhões em saúde - Orçamento do governo estadual para manutenção de unidades de saúde básica ou especializada que integram a rede SUS

Ceará

- R$ 48,7 milhões em saúde – pagamento de despesas e compra de material de consumo e médico-hospitalar na atenção básica, especializada e ambulatorial

Maranhão

- R$ 21,1 milhões em saúde – apoio à atenção básica em municípios do Estado do Maranhão

Mato Grosso


- R$ 24,3 milhões em saúde – apoio à manutenção de unidades de saúde no Mato Grosso

Paraíba

- R$ 38,7 milhões em saúde – compras de material de consumo e médico-hospitalar para complementar a atenção básica e procedimentos de média e alta complexidade

Piauí

- R$ 31,2 milhões em saúde - apoio e custeio de saúde em municípios do Estado do Piauí

Rio de Janeiro

- R$ 24,3 milhões em saúde - equipar as unidades de saúde de atenção especializada sob a administração do Estado do Rio de Janeiro

Rondônia

- R$ 12,7 milhões em saúde – dinheiro para a Fundação Pio XII/Hospital do Câncer de Barretos, que mantém um hospital em Porto Velho, capital do Estado. Custeio mensal de atendimentos, despesa com medicina nuclear e pequenas cirurgias no hospital dia e carretas com laboratórios móveis para exames como mamografia, ressonância e tomografia.

Santa Catarina

- R$ 36 milhões em saúde – atenção básica e média complexidade hospitalar do SUS no Estado.

São Paulo

- R$ 24,3 milhões em saúde – compra de equipamentos nas unidades de atenção especializada de São Paulo

Sergipe

- R$ 24,3 milhões em saúde – reforço no Orçamento da Secretaria de Estado da Saúde

Estadão
 


Outras Notícias
17/01/2018
17/01/2018
16/01/2018
16/01/2018
15/01/2018
15/01/2018
10/01/2018
10/01/2018
09/01/2018
09/01/2018
  Sitio publicado em 27/04/2005