CLIPPING

EAD já responde por mais da metade das matrículas realizadas em instituições privadas

01/08/2022 10:27


Ensino a distância cresceu no Brasil durante pandemia do novo coronavírus, que causa a Covid-19Foto: Divulgação/MCTIC

Os dados foram apresentados nesta última sexta-feira (29) em um Painel que compilou informações dos últimos 20 anos do cenário educacional público e principalmente privado do país, com o objetivo de pensar a educação superior no Brasil, suas ciências e tecnologias e seus financiamentos.


De acordo com o levantamento, o Brasil aumento em 5 vezes o número de vagas em universidades nos últimos 20 anos. Em 1995, 60% das matrículas estavam concentradas e instituições privadas; em 2020, este número cresceu para quase 80% (79,5%).

O interesse das universidades também foi analisado no painel, que considerou o fato de que até 1996 as universidades não podiam ter fins lucrativos; realidade que mudou no ano seguinte. Dessa forma, a partir deste momento, o número de matrículas em instituições privadas estava muito mais concentrado nas que tinham fins lucrativos.


O comportamento dos estudantes seguiu se transformando ao longo do tempo e se está refletido atualmente. Antes da pandemia, um movimento chamou a atenção dos pesquisadores, que perceberam que já existe uma forte migração da adesão de cursos presenciais para cursos à distância.


Em 2020, por exemplo, 80% das matrículas realizadas foram em instituições privadas, 62% aconteceram em apenas 10 grandes grupos educacionais; 60% dessas matrículas foram em cursos à distância; 47% dos estudantes que se matricularam estudaram em cursos EAD com ENAD conceito 1 e 2; e quase metade deles desistiu com menos de 2 anos letivos.


A conclusão que a pesquisadora Maria Angélica Minhoto, coordenadora do SoU Ciência e responsável pela coleta e análise dos dados, é que essas universidades que formam esses grandes grupos educacionais atraem alunos com mensalidades super baixas e estes, por sua vez, se endividam e desistem do curso.


Outro ponto é que em muitos casos, esses grupos fazem a aquisição de várias instituições, para ganhar prerrogativa da autonomia universitária e abrir cursos sem autorização do MEC.


“O MEC precisa ter uma atuação de monitoramento e fiscalização dessas instituições. O Brasil já é um dos países com maior número de instituições de ensino superior privadas do mundo. E se faz necessário que se repense esse comportamento de atender as necessidades do mercado financeiro mais do que as necessidades educacionais”, provoca a docente.


Fonte: CNN Educação


Veja também

Educação e saúde podem perder recursos com vetos à LDO

11/08/2022 09:28

Quem pagou o Fies durante a pandemia pode ter direito a crédito, prevê projeto

11/08/2022 08:57

Ministério da Educação divulga resultado da primeira chamada do Prouni

11/08/2022 08:44

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

[email protected]

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.