NOTICIA

Ministro da Educação reforça defesa de ensino técnico e nega ser elitista

17/09/2021 08:06


Na reunião de hoje, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse que foi mal interpretado em sua defesa do ensino técnico


O ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse, nesta última quinta-feira (16), na Comissão de Educação (CE), que foi mal interpretado em sua defesa do ensino técnico. Ele reafirmou que “não adianta nada ter um diploma de bacharel na parede e estar desempregado”, mas negou que estaria sendo elitista. Ribeiro garantiu que apoia o ensino superior, mas que o mercado demanda por técnicos. Ele também apontou que não falta dinheiro para educação, mas gestão. As posições do ministro dividiram os senadores e foram recebidas com desconfiança por alguns parlamentares. 


É o caso de Zenaide Maia (PROS-RN). Ela concordou que os institutos federais e o ensino técnico profissionalizante são importantes, mas lamentou as falas do ministro.


— Indignou ouvir que não faltam recursos para a educação. Não sou contra olhar onde a gestão falha, mas dizer que todos os governos que passaram erraram indigna. Foi bastante infeliz quando disse que era perigoso para sociedade ter a ilusão de que com o diploma a vida estava resolvida. A vida só esta resolvida quando este país entender que educação é investimento e não despesa — disse Zenaide. 


Já o presidente da CE, Marcelo Castro (MDB-PI) classificou as explicações de Milton Ribeiro como esclarecedoras e se comprometeu a atuar no Senado para a ampliação do ensino profissionalizante. 


— O senhor foi muito enfático, muito claro, bastante esclarecedor. Quero dizer que vou estar junto nessa cruzada pelo ensino técnico profissionalizante. Acho que é a área mais atrasada. Isso não é em oposição ao curso superior — apontou. 


O requerimento (REQ 7/2021) para ouvir o ministro foi apresentado pelo senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB), que lembrou que as críticas do  presidente Jair Bolsonaro e de ex-ministros da Educação, como Ricardo Vélez Rodriguez e Abraham Weintraub, às universidades trouxeram a preocupação de que as manifestações de Ribeiro seriam na direção de enfraquecer o ensino superior. 


— No instante em que você tem um governo que ideologiza, temos essa preocupação quando ouvimos o ministro, que registra que foi infeliz nas colocações, e nos lembramos de imediato o que o presidente da República pensa da mesma forma. Foi essa a preocupação. Que as universidades tenham as portas abertas a todos os cidadãos — reforçou o senador. 


Diante das manifestações dos senadores, o ministro da Educação voltou a afirmar que não é contra o acesso de pessoas de famílias pobres ao ensino superior.


— Não estou querendo negar o acesso a pessoas mais humildes, mais simples, ao ensino superior. O que estou querendo dizer é que temos que ter essa interface com o mercado — apontou. 


Antes, ele já tinha afirmado que sua fala fora tirada do contexto e que não é um elitista:


— Tenho sido muito pragmático no sentido de ajudar dizendo que somente um diploma não vai resolver o problema do jovem. Ele tem que verificar qual é a demanda do mercado e da sociedade. Essa ilusão de que ter diploma apenas vai garantir a ele isso [emprego] que é um perigo. Tive coragem de dizer e estou pagando esse preço. Não estou querendo acabar com o sonho de ninguém — disse. 


Milton Ribeiro afirmou que sua preocupação com o ensino superior pode ser observada na proposta do Orçamento para o próximo ano, que, segundo ele, prevê um aumento de 17% nos recursos das universidades. Ele ainda lamentou tentativas de atribuir todos os problemas da educação ao governo Jair Bolsonaro. Ele afirmou que o país recebeu uma herança muito ruim. 


Izalci Lucas ( PSDB-DF) concordou que o investimento em educação profissional é urgente. E apontou que empresas demandam mão de obra técnica. Flávio Arns (Podemos-PR) também defendeu maior atenção para os institutos federais e pediu que o ministro convença o presidente a colocar a educação como prioridade absoluta do governo. 


LGBQTIA+


Quarto titular do MEC no governo do presidente Jair Bolsonaro, Milton Ribeiro é pastor da Igreja Presbiteriana. Fabiano Contarato (Rede-ES) criticou outras falas públicas de Ribeiro desde que assumiu o cargo, principalmente contra a população LGBTQIA+.


Em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo", publicada em 24 de setembro de 2020, o ministro disse que adolescentes homossexuais "vêm, algumas vezes, de "famílias desajustadas". Apontou ainda que  profesores trans não podem incentivar os alunos "a andarem por esse caminho”. 

— Não venho de família desajustada. Orientação sexual não define caráter — criticou Contarato. 


Em resposta a Contarato, Milton Ribeiro lamentou sua fala, afirmou que "misturou sua postura de pastor com a de ministro de um estado laico" e disse que deve respeitar a todos.


Fonte: Agência Senado

Portaria reajusta em 23% o valor mínimo das bolsas de Residência

15/10/2021 16:54

Conheça o perfil dos professores brasileiros

15/10/2021 07:30

Comissão de Educação avalia sistema de pós-graduação no Brasil

15/10/2021 07:14

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

abruc@abruc.org.br

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.