NOTICIA

Quase 3,5 milhões de alunos evadiram de universidades privadas no Brasil em 2021

03/01/2022 06:48

Taxa de evasão do ensino superior privado chegou a 36,6% e é a segunda maior de toda a série histórica, ficando atrás apenas do ano de 2020. Inadimplência também cresceu nos últimos dois anos.


João Cleiton Santos, assistente de marketplace de 21 anos, entrou na universidade em 2020, mas no começo de 2021 teve que deixar o curso — Foto: Acervo pessoal

Os anos de 2020 e 2021 registraram os maiores índices de evasão de alunos do ensino superior privado no Brasil de toda a série histórica. Só neste ano, foram cerca de 3,42 milhões de estudantes que abandonaram as universidades privadas — uma taxa de 36,6% de evasão.


O número só ficou atrás do registrado no ano passado, quando cerca de 3,78 milhões de alunos evadiram das instituições, chegando a 37,2% de abandono. Os índices são de uma projeção feita pelo Semesp, instituto que representa as mantenedoras do ensino superior no Brasil, obtida com exclusividade pela Globonews.


TAXA DE EVASÃO NO ENSINO SUPERIOR PRIVADO BRASIL – PRESENCIAL + EAD


* 2014: 28,9%


* 2015: 29,8%


* 2016: 31,7%


* 2017: 30,3%


* 2018: 31,8%


* 2019: 32,4%


* 2020: 37,2%


* 2021: 36,6%


Fonte: SEMESP


O diretor-executivo do Instituto Semesp, Rodrigo Capelato, afirma que os estudantes mais afetados são aqueles com maior vulnerabilidade social. “São os que geralmente precisam trabalhar para poder estudar. A maioria estuda à noite. E tiveram perda de emprego, ou perda de renda por trabalho informal. Eles não conseguiam mais pagar a mensalidade ou não tinham, inclusive, infraestrutura para poder assistir às aulas remotamente”, explica o especialista em educação.


Quando o dado do Ensino a Distância (EAD) é separado do ensino presencial, a taxa é ainda mais alta. Em 2021, houve 43,3% de evasão no EAD — número maior, inclusive, que o de 2020 (40%).


Karen Gandra, de 24 anos, teve que deixar a universidade duas vezes — Foto: Arquivo pessoal

Do ano passado para cá, Karen Gandra, de 24 anos, teve que deixar a universidade duas vezes. Primeiro, em agosto de 2020, quando cursava Psicologia em uma instituição privada em São Paulo. Por conta da pandemia, ela perdeu o emprego — que era sua única fonte de renda para pagar a mensalidade das aulas.


Em 2021, Karen voltou a estudar com a ajuda do noivo, que arcou com os custos da mensalidade até ela conseguir voltar a trabalhar. Mas, alguns meses depois, ela trancou a matrícula novamente. Desta vez, porque não se adaptou às aulas online. "Eu acabei desanimando na questão de estudar em casa, eu não conseguia focar, estava muito difícil."


Inadimplência também cresceu


As taxas de inadimplência nos dois anos de pandemia também foram as maiores já registradas. No ano passado, pela primeira vez, ela chegou perto de 10%.


TAXA DE INADIMPLÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR PRIVADO BRASIL - PRESENCIAL + EAD


* 2014: 7,8%


* 2015: 8,8%


* 2016: 9,0%


* 2017: 8,9%


* 2018: 9,3%


* 2019: 9,2%


* 2020: 9,9%


* 2021: 9,4%


Fonte: SEMESP


O assistente de marketplace João Cleiton Santos, de 21 anos, entrou na universidade em 2020, mas, no início deste ano, também teve que deixar o curso. Ele estudava Tecnologia da Informação e precisava fazer estágio na área, mas não conseguia conciliar com o emprego que tinha em período integral.



"A bolsa do estágio era de R$800. No meio da pandemia, as coisas aumentaram, não ia dar certo. Eu pago aluguel, tem a questão das minhas dívidas também”, conta.


João Cleiton afirma que, no início do primeiro semestre, a turma em que ele estudava tinha cerca de 40 alunos. Pouco antes de ele sair, eram apenas 14. Segundo ele, a maior parte deixou o curso também por dificuldades financeiras.


Ampliar o acesso à educação superior


Apenas 18% dos jovens de 18 a 24 anos no país estão no ensino superior. "A gente tem uma meta do Plano Nacional de Educação que teria que atingir 33% dos jovens até 2024. Nós não vamos atingir e ainda vamos piorar esse índice", afirma o diretor-executivo do Instituto Semesp.


De acordo com Capelato, para um país desenvolvido, é necessário que cerca de 2/3 da população tenha escolaridade superior. "Sem isso, não conseguimos ganhar em eficiência, em competitividade, em desenvolvimento de indústrias de ponta. Quer dizer, não conseguimos ser competitivos mundialmente", explica.


Em 2022, João já garantiu a matrícula na faculdade e vai conseguir conciliar os estudos com o novo trabalho — que também garantiu a ele um desconto na mensalidade.


Já Karen pensa em tentar um curso técnico. "Não estudar não está nos meus planos. Mas o que me chateia é ela parecer tão difícil, tão distante para mim. Eu vejo ao meu redor e para outras pessoas parece tão mais fácil", desabafa.


Para o especialista em educação, a ampliação de políticas públicas de financiamento estudantil é essencial para mudar esse cenário. "Hoje em dia nem 5% dos alunos que ingressam no ensino superior ingressaram por meio de financiamento estudantil. Precisa-se ampliar isso para 40%, 50% se quisermos ter um país com acesso igualitário, democrático para todo mundo no ensino superior."


Fonte: G1 Educação

Inep pede informações sobre servidores do órgão, e associação vê assédio

01/07/2022 09:42

Mais Médicos: reitores contestam exigência de chamamento público para abertura de cursos de Medicina

01/07/2022 08:41

Avaliação in loco: Lançado Painel de BI da CTAA

01/07/2022 07:34

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOVIDADES

Artigos, notícias e informativos sobre legislação da área da educação



CONTATO

SEPN 516 Norte, Bloco D, Lote 9,

Edifício Via Universitas, 4° andar

CEP 70.770-524 - Brasília - DF

Entrada pela via W2

(61) 3349.3300

(61) 3347.4951

(61) 3030.2200

(61) 9.9370.3311

[email protected]

REDES SOCIAIS

COPYRIGHT © 2018 ABRUC. A ABRUC não é responsável pelo conteúdo de sites externos.